Tecnologia garante economia no serviço de oxigênio

As atividades iniciaram nesta semana, onde houve a troca dos cilindros por concentradores de oxigênio.

Já  mostrou um valor acima de R$ 200mil de redução nos gastos, apenas com orientações ao usuário, melhoria nos controles utilizados na entrega da requisição e nas negociações de preços.
Já mostrou um valor acima de R$ 200mil de redução nos gastos, apenas com orientações ao usuário, melhoria nos controles utilizados na entrega da requisição e nas negociações de preços.

A Fundação Municipal de Saúde de Santa Rosa investe em equipamentos modernos para melhorar a qualidade de vida e dos serviços para os usuários do SUS. O trabalho foi realizado em parceria com o Setor de Compras, Gestão Estratégica e do Programa Melhor em Casa. As atividades iniciaram nesta semana, onde houve a troca dos cilindros por concentradores de oxigênio. Contabilizado até o momento a instalação de oito equipamentos, os quais estão nas residências dos usuários.

Segundo a enfermeira Juracema Siqueira é muito gratificante ouvir do usuário que o equipamento vai trazer qualidade de vida e melhorar muito o seu deslocamento interno. “Foi surpreendente a receptividade e a aceitação dos usuários com a nova tecnologia, ficamos muito felizes com isso”. Os equipamentos são locados e os usuários são relacionados conforme o consumo.

Para o diretor de Gestão Estratégica e Participativa, Ademir Rosa a busca por estas iniciativas, engrandece a instituição e as pessoas que idealizam estas implementações. “Estas tecnologias, além de melhorar para o usuário, reduz custo para a FUMSSAR, que neste caso, estima-se uma redução de R$ 7.000,00 por mês”. Para o presidente da Fundação, Anderson Mantei, a gestão está comprometida com o controle e a aplicação correta dos recursos públicos. “Estas ações é que nos fazem ser referência positiva nos serviços e nos enche de orgulho por fazer parte de um sistema de saúde pública de qualidade, como é aqui na nossa cidade”.

“Nosso trabalho se concentrou desde o início em buscar economia sem cortar serviços. No caso dos aparelhos de oxigênio, fizemos um levantamento dos usuários, e após um estudo identificamos que seria mais rentável locar os aparelhos, e isso está gerando uma economia considerável, sem cortar nenhum serviço. É uma gestão preocupada com o dinheiro público, que passou a investir com mais responsabilidade”, destacou o chefe do setor de compras da Fundação, André Herzog.

A atividade de liberação de cilindros de oxigênio já vinha sendo trabalhado nos últimos dois anos, o qual já mostrou um valor acima de R$ 200mil de redução nos gastos, apenas com orientações ao usuário, melhoria nos controles utilizados na entrega da requisição e nas negociações de preços.