Filas acabaram

Sistema desmonta tristes cenários de pessoas dormindo em frente aos postos de saúde.

Filas acabaram

Pessoas em longas filas de madrugada aguardando por uma ficha médica não é mais realidade nas Unidades de Saúde de Santa Rosa. Isso foi possível com a descentralização do atendimento médico, em função do Processo de Acolhimento desenvolvido por equipes multidisciplinares nas Unidades.

Com objetivo de oferecer o acesso ao cuidado integral e longitudinal dos usuários, o processo foi implantado em 2014 e, de forma grada-tiva tem sido aprimorado nas 17 unidades de saúde. Só em 2017, foram realizados 650.786 atendimentos na Rede Básica. Destes, apenas 84.228 foram consultas médicas. Segundo o presidente da FUMSSAR, Anderson Mantei, “conseguimos evoluir muito no cuidado da saúde. Todas nossas equipes estão preparadas para realizar o Acolhimento e solucionar as demandas”.

Este processo de trabalho oportuniza o serviço para todos os usuários do SUS. Em 2016, o Acolhimento foi implantado em todas as Unidades, com isso, foi possível acabar com o problema das filas de acordo com a Diretora de Atenção Primária a Saúde. Alice Klein Hofferber destaca: “O trabalho está sendo realizado através da escuta qualificada dos profissionais de enfermagem e então vem o encaminhamento correto para atender a demanda de cada usuário. Assim, a equipe multipro-fissional, através de interconsultas auxilia os profissionais diretamente envolvidos no acolhimento. Descentralizamos as consultas do médico e conseguimos acabar com as filas”. Alice destaca ainda que para esse ano a intenção é qualificar ainda mais as equipes, já que o processo é relativamente novo.

A distribuição das senhas aleatórias para a escuta qualificada da enfermagem começa às 7h 30min. Após, são realizados os encaminhamentos para equipe multiprofissional: enfermeiro, psicólogo, dentista, farmacêutica, assistente social, médico, nutricionista, fonoaudióloga, terapeuta ocupacional e fisioterapeuta. Também podem ser enviados para os serviços complementares como Centros de Atenção Psicossocial (CAPS II), Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD), Centro Regional de Saúde do Trabalhador (CEREST). Reuniões periódicas são realizadas com a comunidade para discutir e avaliar o sistema. Desde que foi instalado, segundo dados da FUMSSAR, a satisfação dos usuários tem sido avaliada como muito positiva.