Entra em operação a nova unidade

Com a transferência dos serviços para o prédio novo, as estruturas onde eles antes funcionavam serão reformadas para ampliar atendimentos.

Entra em operação  a nova unidade

Esta semana entrou para a história do hospital com a instalação e funcionamento do Setor de Diagnóstico e o Laboratório na nova unidade. O prédio, que em área construída corresponderá no futuro ao que tem atualmente disponível, começou a ser executado em 2014.

O projeto arquitetônico assinado por Camila Preissler foi elaborado em 2013 e previa inicialmente quatro pavimentos. A nova unidade faz parte do Planejamento Estratégico do hospital, que tem como diretriz ser referência estadual em tratamentos de doenças de alta complexidade. Desde sua criação, o prédio sempre foi prioridade para o Conselho de Administração, passando pelas presidências de Anderson Mantei, Elton Walker e Rubens Zamberlan, o atual.

Rubem Zamberlan explica que com a demanda cada vez mais crescente de serviços, o projeto precisou ser ampliado. “A obra era para atender uma demanda baseada nos próximos 10 anos, então achamos que quatro pavimentos seriam suficientes, mas no decorrer desse tempo a necessidade de ampliação se impôs”, disse. Hoje o prédio prevê 10 pavimentos, sendo o último para um heliponto. Ao todo, a nova unidade terá 11,1 mil m². Os dois primeiros andares que começaram a ser utilizados nesta semana somam 2,5 mil m².

Um serviço de ponta está sendo oferecido na nova área. O Setor de Diagnóstico ocupa três salas de ecografia, três salas de Raios-X, mamografia, densitometria óssea, duas salas de tomografia e ressonância magnética. No primeiro pavimento (no nível do estacionamento) está em funcionamento o Laboratório de Análises Clínicas, que agora passa a ser operado por uma equipe do próprio hospital e com equipamentos todos novos.

O projeto começou a ser executado com recursos próprios. Depois contou com investimentos do Governo do Estado na ordem de R$ 2,2 milhões. Também mobilizou R$ 6 milhões oriundos de uma demanda judicial encaminhada pela Federação dos Hospitais sobre valores de planos de governo. Até o momento, o total de investimento na parte predial e mobiliário chega a R$ 13 milhões.

Também foram necessários recursos para equipamentos. O novo aparelho de Ressonância Nuclear Magnética e o novo aparelho de Tomografia foram adquiridos através do Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (PRONON), que liberou R$ 6 milhões. A diretora geral Vanderli de Barros destaca que a nova unidade conta com tecnologia de última geração. “Estes equipamentos são extremamente importantes para qualificarmos e agilizarmos nossos serviços. Estamos oferecendo um atendimento de diagnóstico de referência e alta resolutividade” acentuou.

O Hospital Vida & Saúde também obteve junto ao Ministério da Saúde R$ 7,5 milhões para a aquisição de equipamentos à nova unidade. Do total garantido através de projeto técnico encaminhado à pasta, R$ 3 milhões estão empenhados para a compra de equipamentos destinados ao 3º e 4º pavimentos. Nos dois andares mencionados funcionarão o Bloco Cirúrgico e a CME – Central de Materiais Esterilizados. O 5º abrigará a UTI adulto. O 6º, 7º e 8º pavimentos serão para Internações (90 leitos). O 9º andar terá um restaurante com solarium e o 10º o heliponto.

A parte externa está sendo concluída com a pintura do prédio e o acesso de ambulâncias.  

Com a transferência dos serviços para o prédio novo, as estruturas onde eles antes funcionavam serão reformadas para ampliar atendimentos.