Abril: Assassinato do juiz do trabalho e prejuízos com as chuvas marcaram o mês

O mês em que o Jornal Noroeste passou a implantar as suas primeiras mudanças, criando novos espaços para a informação.

Em apenas dois dias foram registrados 208 milímetros de chuva na cidade, além de mais 140mm registrados na semana anterior.
Em apenas dois dias foram registrados 208 milímetros de chuva na cidade, além de mais 140mm registrados na semana anterior.

O mês em que o Jornal Noroeste passou a implantar as suas primeiras mudanças, criando novos espaços para a informação, como as páginas "Da Redação" e a de Entrevista, foi marcado também por notícias com repercussão em todo o Rio Grande do Sul. O santocristense Cláudio Ost, juiz do Trabalho que atuava na comarca de Santa Rosa e que estava em licença saúde, foi brutalmente assassinado na manhã de 15 de abril em Porto Alegre. Ele foi alvejado com cinco tiros disparados por um jovem de 17 anos que, segundo a polícia, não aceitara que Ost estivesse se relacionando com sua ex-namorada.

Enquanto que no Conselho Regional de Desenvolvimento - Fronteira Noroeste (Corede), a ex-prefeita de Porto Vera Cruz, Vanice de Matos, assumia a presidência para um mandato de dois anos. Já o tuparendisense Paulo Turra era destaque no esporte internacional. Auxiliar de Luis Felipe Scolari, ele comandou a equipe do Guangshou Evergrande, da China, que conquistou o hexacam-peonato. Felipão esteve impossibilitado de treinar a equipe na partida final, onde Turra pôde mostrar suas habilidades e sagrar-se vencedor.

Outra pauta importante do mês de abril foi relacionada à qualidade do trânsito no município. Prefeitura e Sindicato das empresas de Transportes de Cargas e Logísticas (Sintralog) debateram o tráfego de cargas pesadas na área central da cidade, tentando avançar no tema. A proposta da prefeitura era de que fosse proibido o trânsito de veículos pesados em determinados pontos, permitindo carga máxima de 20 toneladas, o que não foi bem recebida pelos transportadores, sob o argumento de que tal regra inviabilizaria o abastecimento de supermercados e estabelecimentos comerciais. O Sintralog propôs algumas sugestões, além de solicitar mais tempo para implantar as medidas.

No campo político, a notícia era a cassação do mandato do vereador Miro Jesse (PPS), por compra de votos, a partir de representação eleitoral promovida pelo Ministério Público e com sentença emitida pelo juiz Adalberto Hommerding, que analisou provas que incluíam interceptação de conversas telefônicas. Mais votado no pleito de 2016, com 2.768 votos, Miro Jesse recorreu da decisão, continuando atuando em seu segundo mandato.

Na área policial os destaques foram para a morte de pai e filha em um acidente de trânsito na ERS 344. Amauri Sávio Pereira e sua filha Miriam estavam em uma moto quando colidiram de frente contra uma carreta. Eles deslocavam-se no sentido Tuparendi-Santa Rosa. Chovia muito na ocasião. Também foi notícia a prisão de dois homens portando 11 kg de maconha, em uma operação da BM, que mobilizou policiais da região. Mas de fato, o momento marcante do mês foi a Sessão Especial da Câmara de Vereadores, em reconhecimento ao trabalho da 10ª Região Policial, com sede em Santa Rosa, que, chefiada pelo delegado Ubirajara Diehl Júnior, foi apontada pelo comando geral da Polícia Civil gaúcha como a de melhor desempenho entre todas as regionais.

Mas o mês de abril, que também teve como destaque mais uma exitosa Feira do Livro, que neste ano teve como Patrono o professor Arnildo Rockenbach, foi marcado pelas fortes chuvas, que trouxeram prejuízos a 170 famílias, que tiveram suas casas alagadas, dando trabalho para a Defesa Civil do município. Em apenas dois dias (8 e 9), foram registrados 208 milímetros de chuva na cidade, além de mais 140mm registrados na semana anterior. No interior pontes foram danificadas e estradas interrompendo o tráfego.

A polêmica do mês foi a instalação de um painel eletrônico para publicidades junto à Rótula do Taffarel. A questão foi levantada pela vereadora Sonia Conti (PCdoB). O assunto se desenrolou até o mês de outubro, quando a Câmara de Vereadores instalou uma CPI para investigar o caso.