São Miguel das Missões é certificado como patrimônio cultural do Mercosul

Para comemorar a data, será assinado o início para uma série de obras no entorno do sítio arqueológico.

Visão é que a cidade, por ter o sítio arqueológico e ser patrimônio mundial da Unesco, tem de ser qualificada para atender os moradores e receber os turistas
Visão é que a cidade, por ter o sítio arqueológico e ser patrimônio mundial da Unesco, tem de ser qualificada para atender os moradores e receber os turistas

São Miguel das Missões recebe nesta sexta-feira, 08, uma certificação que eleva à condição de patrimônio cultural do Mercosul. O certificado será entregue a representantes dos indígenas, a autoridades locais e ao IPHAN por Gabriela Gallardo, coordenadora executiva da Comissão de Patrimônio Cultural do Mercosul.

Para comemorar a data, será assinado o início para uma série de obras no entorno do sítio arqueológico.

Entre os pontos que receberão melhorias está a Tava, que é um espaço sagrado para o povo guarani, abrangendo a zona onde estão situadas as ruínas da missão jesuítica de São Miguel. Já era patrimônio cultural do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), que no ano passado apresentou a candidatura ao bloco regional. Conforme a tradição, a Tava foi construída e habitada pelos ancestrais dos guaranis, a pedido da divindade Nhanderu, e representa um lugar de referência para a memória e a identidade do povo indígena.

A certificação da Tava pelo Mercosul está relacionada ao reconhecimento da presença ancestral dos guaranis no território Yvy Rupá, que integra Brasil, Argentina e Paraguai, onde se organizou uma grande rede étnica formada por aldeias, caminhos e locais sagrados. A Tava é um local sagrado onde os guaranis precisam circular livremente, como fizeram seus ancestrais. “A certificação tem como consequência o compromisso de salvaguardar isso. Ela reforça a proteção e a transmissão desses patrimônios e saberes, para que não se percam”, explica a presidente do IPHAN, Kátia Bogéa, que já está no Rio Grande do Sul para participar do evento.

Na mesma solenidade, será dada a ordem de início para obras do PAC Cidade Histórias, programa conduzido pelo IPHAN. Serão investidos R$ 3 milhões em implantação de trilhas, ciclovias, pavimentação de calçadas, condições de acessibilidade, novo paisagismo e requalificação de três praças. A intervenção no entorno do sítio arqueológico tem como objetivo qualificar a cidade. A previsão de conclusão é para daqui a um ano.

A visão é que a cidade, por ter o sítio arqueológico e ser patrimônio mundial da Unesco, tem de ser qualificada para atender os moradores e receber os turistas — afirma Kátia.

A cerimônia desta sexta-feira deve contar com a presença do Ministro da Cidadania, Osmar Terra, e de representante do Ministério do Turismo.

 Na quinta-feira, 7, a presidente do IPHAN encontrou-se com o governador Eduardo Leite para lançar a campanha Patrimônio Cultural do Sul: Turismo Cultural. A ideia do IPHAN é dedicar 2019 à divulgação e valorização do patrimônio cultural dos três Estados do Sul, com previsão de uma série de atividades e eventos ao longo do ano.