Justiça diz que Vicini nomeou servidor sem escolaridade exigida para cargo

Decisão ordena que o prefeito emposse o segundo colocado para a função de representante dos aposentados e pensionistas no Previrosa

Pedro Pascoalino Zagueti conseguiu na Justiça decisão a seu favor para assumir o cargo
Pedro Pascoalino Zagueti conseguiu na Justiça decisão a seu favor para assumir o cargo

O juiz Adalberto Hommerding concedeu um mandado de segurança e ordenou que o prefeito Alcides Vicini exonere o servidor aposentado Maurílio Gonçalvez Marques de Representante dos Aposentados e Pensionistas no Previrosa. Ele foi nomeado pelo prefeito Vicini após ser eleito para a função. A ação foi movida pelo 1º suplente Pedro Pascoalino
Zagueti, que afirmou que a escolaridade de Marques não foi comprovada para o cargo.

Na decisão de Adalberto, o juiz afirma que tendo em vista que o candidato eleito, Maurílio, cursou apenas o ensino primário, não há como considerar que ele tenha concluído o ensino fundamental, o que não preenche o requisito exigido por lei.

A Justiça ordenou que Maurílio deve ser excluído do processo eletivo, o que Zagueti seja empossado no cargo, para isso o citado também precisa apresentar a documentação exigida.

Pedro Pascoalino Zagueti afirmou ao Jornal Noroeste que antes de entrar com a ação na Justiça, procurou a direção do Previrosa e também o próprio prefeito, e ninguém tomou nenhuma atitude. Procurados para comentar a decisão, o Previrosa afirmou que ainda não tinha sido intimado sobre o fato.