HomeGeral sexta-feira, 15 de junho de 2018 08:20

Projeto Educar para o Trânsito avança nas escolas

A ideia começou a ser elaborada no ano de 2017, mas iniciou em maio de 2018 após os processos licitatórios.

O Governo Municipal, através do Departamento de Trânsito e Mobilidade Urbana, vem desenvolvendo o projeto “Educar para o Trânsito” nas escolas de Santa Rosa. A ideia começou a ser elaborada no ano de 2017, mas iniciou em maio de 2018 após os processos licitatórios.

A empresa vencedora responsável, Aster Assessoria de Trânsito LTDA, é quem aplica o projeto. Ela tem apoio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Educacional, onde se realizam reuniões com diretores para a divulgação, e da empresa Gago Bikes, a qual realiza a manutenção das bicicletas e motocas utilizadas nas aulas práticas da Escolinha. Apenas no mês de maio mais de 500 alunos tiveram a disposição instruções e noções básicas de trânsito.

Segundo o diretor de Trânsito e Mobilidade, Carlos Lozekan “esperamos ao menos plantar uma semente nas crianças para que sejam jovens e adultos cientes de suas responsabilidades como cidadãos e futuros condutores. Por fim, as próprias crianças levam às suas famílias informações e conhecimentos adquiridos nas aulas e acabam sendo um meio de atingirmos um número maior de munícipes. Temos a expectativa de possuirmos um trânsito mais consciente com cidadãos cada vez mais educados e gentis”.

O objetivo da escolhinha é transmitir a futura geração de motoristas noções sobre o trânsito, para que eles saibam a importância da educação no contexto de segurança na rua, oportunizando um aprendizado inovador. Os instrutores montam toda estrutura de trânsito, com vias, placas, sinalizadores, veículos como carros e bicicletas, para que os alunos simulem situações diversas.

As escolas Érico Veríssimo, V. Bela União, Marques do Herval, Maturidade Ativa, Santa Rita, Duque de Caxias e EMEI Criança Feliz participaram do projeto nesse mês de junho. As escolas interessadas em participar deverão ligar para o departamento de transito e mobilidade e agendar uma data conforme disponibilidade. “A procura pelas atividades tem sido alta, tanto que para os meses de junho e julho não há mais horários, já que o processo licitatório foi realizado com base no projeto básico onde a previsão é de 25 horas mensais” destacou Losekan.

 

Faça seu comentário