Justiça autoriza força-tarefa no combate a dengue

Ação da Vigilância e órgãos de segurança limpou terreno no centro da cidade.

Justiça autoriza força-tarefa no combate a dengue

Uma força-tarefa, realizada na terça e quarta-feira, 19 e 20, formada por Vigilância Sanitária, Ministério Público e Justiça recolheu cerca de sete toneladas de lixo em uma residência de Santa Rosa. O fato só chegou ao extremo devido a uma tentativa frustrada de acesso de um vigilante a residência situada na Rua Francisco Timm. Assim os órgãos de saúde pública e segurança tiveram de intervir.

Segundo o diretor da Vigilância Sanitária, Jairo Beal, a ação foi realizada em conjunto com várias secretárias, além da empresa responsável pela coleta de lixo, que até utilizou um guindaste. “Ficamos impressionados com o acúmulo de lixo do local. Tiramos cerca de sete toneladas, além de nove veículos que estavam lotados de entulhos. O que mais nos chocou foi um congelador com carnes em estado de putrefação”, afirmou. Beal diz que foram constatados oito focos do mosquito da dengue. O imóvel não possui ener-gia elétrica, água encanada ou esgoto.

O presidente da Fundação da Saúde, Anderson Mantei, explicou que a ação foi discutida juntamente com o Ministério Público. “Já estávamos tratando dessa questão para ingressar no imóvel. Não era mais só pela saúde dos moradores da casa e dos arredores, já era uma questão social e humanitária” destacou Anderson.

Mantei salienta que a preocupação agora é com o bem estar físico e psicológico dos moradores daquela residência. A questão irá tramitar no Ministério Público para que se faça um estudo social aprofundado, e que sejam analisadas as condições de vida e convívio. “Iremos analisar se eles podem conviver sem a participação mais efetiva da assistência social. Nós cuidamos para respeitar a ordem judicial e a integridade das pessoas que lá residem e que, a meu ver, foram beneficiadas com a ação”, disse.

DENGUE: Atualmente o índice de infestação está em 3,5, abaixo dois pontos do mesmo período do ano passado. “Mesmo assim temos que intensificar o trabalho de prevenção, pois já tivemos três notificações da doença, embora nenhum caso confirmado”, finalizou Jairo Beal.