Início do ano marcado por demissões no ensino privado

A informação é do plano estadual e oriunda do Sindicato dos Trabalhadores em Administração Escolar do Rio Grande do Sul

As dispensas estão ocorrendo em universidades e escolas privadas.
As dispensas estão ocorrendo em universidades e escolas privadas.

A informação é do plano estadual e oriunda do Sindicato dos Trabalhadores em Administração Escolar do Rio Grande do Sul, que aponta um número elevado de demissões agendadas desde segunda-feira, 7. As dispensas estão ocorrendo em universidades e escolas privadas.

A data base da categoria é no início de março. Caso a demissão ocorra nos 30 dias anteriores, há cobrança de multa, o que pode estar estimulando o aumento da movimentação na arrancada do ano.

Na capital o Sinpro-RS (Sindicato dos Professores do Ensino Privado) queixa-se do atraso no pagamento de salários em duas instituições.

Contabilizando todo 2018, o Sindicato dos Trabalhadores em Administração Escolar do Rio Grande do Sul somou cerca de 2 mil homologações de demissões de funcionários, sem considerar escolas de educação infantil. Já o Sindicato dos Professores do Ensino Privado informa que foram 6 mil rescisões ao longo do ano, com maior intensidade entre dezembro e março. A percepção das pessoas consultadas, no entanto, é que a situação piorou agora em 2019.