IFFar se manifesta através de nota

IFFar em Santa Rosa garante funcionamento normal até outubro.

IFFar se manifesta através de nota

Uma nota à comunidade, assinada por Carla Jardim, reitora do Instituto Federal Farroupilha posiciona a instituição diante das propaladas dificuldades financeiras que ameaçam o funcionamento de seus campi, entre eles o de Santa Rosa.

“Em abril, o Ministério da Educação anunciou um bloqueio de 30% do orçamento das instituições federais de ensino. Entretanto, diferentemente do divulgado em alguns veículos de comunicação, o corte não reflete de forma linear em todas as despesas de custeio. A parcela destinada exclusivamente à assistência estudantil, por exemplo, precisa permanecer inalterada, de modo que não integra o cômputo do percentual anunciado. Cumpre esclarecer, assim, que, na prática, o IFFar está com mais de 40% de seus recursos de custeio indisponíveis”, ressalta a nota.

E explica: “as despesas de custeio são aquelas necessárias para manter as atividades normais de qualquer órgão, como pagamento de contas de água e luz e de serviços de limpeza e vigilância, compra de insumos alimentícios e de materiais de laboratório, aluguel de imóveis, entre outros. Como toda entidade pública, o IFFar firma contratos com fornecedores e prestadores de serviço, os quais, sem liberação de orçamento, não podem ser honrados”. 

A nota também alerta que “em função do bloqueio orçamentário, ações de ensino, pesquisa e extensão do IFFar já enfrentam consequências. Aulas práticas, experimentos, visitas de estudo, projetos e eventos estudantis tiveram de ser cancelados ou indeferidos, prejudicando a formação dos estudantes e subtraindo oportunidades dos cidadãos”.  

A nota conclui: “Diante da gravidade das circunstâncias, espera-se que o posicionamento do Governo Federal a respeito do contingenciamento seja revisto, possibilitando que o IFFar permaneça cumprindo a sua missão e evitando danos irreversíveis à trajetória do público hoje atendido. Caso contrário, apesar dos esforços adotados até agora para contornar as dificuldades que se impõem, a suspensão de atividades será inevitável”.