IFFar busca caracterização da polpa e do néctar de butiá

O butiá, por apresentar sabor único e aromático, considerado um fruto exótico, tem despertado o interesse da indústria de alimentos e do mercado consumidor.

IFFar busca caracterização da polpa e do néctar de butiá

A polpa de butiá é objeto de pesquisa de um projeto realizado pelo Instituto Federal Farroupilha-IFFar – Campus Santa Rosa. Sob a coordenação da professora Adriana Hansel Michelotti, a professora Joseana Severo e estudantes do eixo de a limentos estão padronizando a polpa de butiá de diferentes produtos da região e buscando alternativas para ampliar o mercado do produto.

Ao longo do projeto “Elaboração de néctar e caracterização de polpas de butiá provenientes da cadeia de frutas nativas do noroeste do RS”, iniciado em 2017, foram desenvolvidas diferentes formulações de néctar de butiá para testes prévios de aceitação do produto. Na segunda-feira, 17, foi realizada a análise sensorial de quatro fórmulas de néctar de butiá, com 50 provadores. 

“O néctar é o produto elaborado a partir de diversas concentrações de polpa, açúcares e ácido cítrico. A partir dos resultados das pesquisas e análises poderemos caracterizar e obter uma formulação de néctar com aceitabilidade para o público da nossa região, podendo orientar os produtores sobre qual formulação seria mais aceita”, explica a professora Joseana Severo.

O butiá, por apresentar sabor único e aromático, considerado um fruto exótico, tem despertado o interesse da indústria de alimentos e do mercado consumidor. Segundo a professora Adriana Michelotti, a padronização da polpa permitirá aos produtores uma melhor exploração dos potenciais de uso da fruta na produção de alimentos e bebidas, ampliando assim, o leque de produtos e, consequentemente, contribuir com o desenvolvimento regional.

A ideia para a pesquisa surgiu a partir do projeto que está em desenvolvimento no Campus Santa Rosa, sob a coordenação da diretora de Administração, Mirian Kovhautt, denominado “Sistema agroflorestal e processamento de frutas nativas, consolidando e fortalecendo grupos de agricultores familiares e as organizações envolvidas com a comercialização dos produtos do processamento de frutas nativas, com destaque para o sistema agroflorestal”. Uma série de eventos como fóruns, seminários e encontros já foram realizados a fim de buscar soluções para os problemas técnicos e comerciais encontrados na cadeia produtiva das frutas nativas da região.

O processamento das polpas acontece no Laboratório de Alimentos do IFFar – Campus Santa Rosa. A aluna bolsista do curso Técnico em Alimentos, Taine Radin, e a aluna da Pós-Graduação em Gestão da Qualidade e Novas Tendências em Alimentos, Lia Ciervo, fazem parte do projeto de pesquisa. A matéria-prima para o processamento da polpa é trazido ao laboratório de Alimentos do IFFar através da colaboração da Associação Regional de Educação, Desenvolvimento e Pesquisa (Arede), da Cooperativa dos Produtores de Butiá de
Giruá e da Cadeia Solidária de Frutas Nativas do Rio Grande do Sul.