Nestor é contrário à ampliação do horário comercial

Para Kalsing, este debate não está ocorrendo apenas em Santa Rosa.

Nestor é contrário à ampliação do horário comercial

O presidente do Sindicato dos Comerciários Municipais, Nes-tor Kalsing, após a manifestação do prefeito Alcides Vicini e de Leonides Freddi, presidente do Sindi-lojas terem antecipado o debate sobre a necessidade de ampliação do funcionamento do comércio de Santa Rosa, tomou três medidas. A primeira foi a de divulgar uma nota nas redes sociais detalhando o posicionamento de sua diretoria. A segunda foi vir à imprensa falar sobre o assunto. E a terceira foi cumprida ontem à noite (não tínhamos a posição até o fechamento desta edição), com a realização de uma assembleia para que os comerciários locais avaliassem e se posicionassem a respeito do tema.

Para Kalsing, este debate não está ocorrendo apenas em Santa Rosa. “Outros municípios estão discutindo a abertura do comércio nos finais de semana e até a ampliação da jornada diária até as 19h ou 24h, mas com o objetivo de conseguir o investimento de uma propalada loja de departamento (Havan). O debate está instalado em Ijuí, Lajeado, Santa Cruz do Sul, Alegrete e Santana do Livramento”, observou.

De posse de um estudo feito pela USP (Universidade de São Paulo), destacou que o argumento de crescimento de emprego com a ampliação do horário comercial é uma falácia. “Quando o assunto é trazido para o interior, a flexibilização dos horários comerciais atende a quem? Simplesmente as grandes lojas de departamentos e os shopings matam o comércio de rua”, ressaltou.

Nestor também insiste que comércio aberto não significa aumento de vendas. “Se o comércio funcionar 24 horas, de segunda a segunda, o consumidor vai sempre procurar um estabelecimento onde não tenha filas”, justificou.

O debate está instalado. O prefeito Alcides Vicini defende a instalação do debate, o Sindilojas também. E as duas partes querem construir uma lei municipal articulada com os comerciários. O argumento é que Santa Rosa é uma cidade polo regional e por isso concentraria consumidores da Fronteira Noroeste. “E você acha que Horizontina, Três de Maio e outras cidades não farão o mesmo? Ou simplesmente contemplarão seus contribuintes se deslocando para Santa Rosa para gastar dinheiro”, questiona Nestor Kalsing.