AltSchool e sua metodologia de educação inovadora

O empreendedor para a educação, Felipe Diesel*, relata sua visita a uma instituição novaiorquina com foco na educação inovadora.

Alunos trabalhando em seus decks personalizados.
Alunos trabalhando em seus decks personalizados.

Essa foi a minha segunda visita a uma AltSchool. A primeira havia sido na escola onde tudo começou, em San Francisco, onde visitei outras escolas que também focam na metodologia de educação inovadora. Uma delas inclusive já escrevi um artigo sobre, a Brightworks. Quando você chega em uma AltSchool, a impressão é que você está entrando em um café ou em algum pequeno estabelecimento comercial. A sua estrutura é muito diferente da estrutura de uma escola "de quarteirão", como estamos acostumados. Sua fachada é simples e um pouco maior do que o tamanho de sua porta de entrada, pintada de azul e com uma pequena vitrine mostrando os trabalhos dos alunos.

Nessa escola em Brooklyn Heights, quem me recepciona é Jamie, a head da escola. Vale salientar que essa é uma escola apenas de Ensino Fundamental, ou seja, os alunos aqui têm entre 6 e 11 anos de idade. Já vou falar um pouco mais sobre a visita a escola e sua proposta pedagógica de educação inovadora, mas antes é importante que você entenda o modelo dessa escola.

MODELO ALTSCHOOL

A AltSchool foi criada por um ex-colaborador do Google, Max Ventilla, que via a dificuldade da escola tradicional em formar o profissional necessário nesse novo mercado de trabalho. Ele tinha uma ideia radical de que o sistema escolar deveria ser mais parecido com uma rede social do que com uma fábrica.

Segundo Max, o investimento em estrutura física (aluguel, manutenção, depreciação…) pode corresponder a 62% dos custos de uma escola. Todo esse investimento não está diretamente ligado ao resultado de aprendizado do aluno. Então, suas escolas são muito enxutas, maximizando o investimento do recurso onde ele deve estar.

  • Espaços pequenos. As escolas ocupam espaço de uma casa de família ou áreas comerciais.
  • Como as estruturas são pequenas, as escolas não têm quadras de esportes ou espaços separados para laboratórios. As AltSchools são estrategicamente abertas perto de parques, onde os alunos podem interagir com o meio-ambiente e comunidade.
  • Há uma média de 2 professores por turma, o que intensifica o contato com o aluno e melhora a avaliação do resultado do aprendizado.
  • Turmas com média de 10 alunos, facilitando o trabalho do professor.
  • Professores de áreas com professores de mercado (designers, engenheiros…). Isso quer dizer que numa mesma sala temos professores de biologia dividindo espaço com designers, engenheiros e outras profissões de mercado. O que torna o aprendizado mais "real".
  • Na escola não tem staff administrativo, apenas uma "head" para ajudar os professores em suas demandas. Sem secretárias, monitores, porteiro ou outros colaboradores, todo o trabalho é feito pelos alunos e professores, que se revezam em tarefas mais simples.
  • Alto uso de tecnologia. O uso de tablets, projetores, lousas interativas, TVs, laptops, celulares e outros gadgets é bem comum nas dependências da escola.
  • Software de aprendizado próprio baseado na personalização do aprendizado. E aqui está o segredo. As escolas são grandes laboratórios para o que realmente interessa: o software de ensino personalizado desenvolvido pela empresa.

E esse modelo de educação inovadora faz sentido. Ao menos é o que acha Mark Zuckerberg, esse mesmo, o carinha do Facebook. Ele aportou US$ 100.000.000,00 para se tornar um dos sócios dessa escola.

ROTINA DA ESCOLA

Jamie me fala que cada escola tem uma certa autonomia para definir sua rotina de trabalho. Ela entende isso como um dos principais motivos da AltSchool atrair talentos. Realmente, seus professores são muito bem qualificados. Alguns com formação nas melhores universidades americanas. Autonomia e "ownership" (versão portuguesa seria "propriedade", mas não captura o que a palavra expressa) definem o trabalho da escola, já que todo professor tem senso de propriedade com o que produz e o aluno também. Ele é responsável pelo que faz e tem propriedade sobre sua produção. Vamos entender um pouco mais da rotina da escola e ver como isso se reflete.

  • Morning Exploration

Não há uma hora específica para se iniciar as aulas.Os alunos chegam entre as 08:00hs e 09:00hs na escola, organizam as suas coisas, comem algo e ficam na sala de aula onde seu professor os aguarda para o primeiro período. Nesse momento, além de fazer as atividades e tirar dúvidas, o professor também pode fazer um "coaching" com aluno, de acordo com suas necessidade.

  • Morning Meeting

Depois do momento inicial, com toda a turma em sala de aula o professor faz uma reunião com os seus alunos. O professor tem liberdade para realizar a reunião com seus alunos como precisar, mas é esperado que ele traga assuntos cotidianos para discussão, como atividades que impactam os alunos e seu ambiente. Também são definidas metas. Você leu certo. Aluno e professor definem metas de aprendizado para o dia. Lindo isso, não?

  • Shelf Time

Hora da organização. Com as atividades planejadas para o dia, alunos e professores organizam todos os materiais necessários.

Os alunos, esses pequeninos mesmo, organizam os conteúdos e equipamentos que irão precisar para cumprir as suas metas de aprendizado para o dia e então, se lançam em suas trilhas de aprendizado, criadas por eles mesmos.

  • Reflection Meeting

Todo o processo precisa de ajustes e, nesse momento, aluno e professor refletem sobre as suas práticas. O que funcionou até aqui? Como eu aprendo? Como posso melhorar meu processo de aprendizado? Como posso ajudar o meu grupo a aprender melhor? Como posso desenvolver as habilidades necessárias? Como praticar a minha inteligência emocional? Essas são algumas perguntas a ser respondidas nesse espaço. Há ainda o momento de meditação e meta aprendizado.

A rotina da escola segue com outros momentos que estamos mais acostumados, como Lanche, Descanso, Projetos e o dia é fechado com uma Reunião de Fechamento, onde alunos e professores refletem sobre as metas atingidas no dia, sobre o processo de aprendizado e definem melhorias a serem feitas.

O QUE A ALTSCHOOL ACREDITA

A escola tem uma série de crenças e valores que, embora não estejam em um quadro na parede, fica muito explícita nas pessoas que atuam nela.

  • Investimento onde faz diferença:

O principal atrativo de uma escola são as pessoas. Então o principal investimento deve ser feito nelas. Com salários atrativos, boas condições de trabalho e muito autonomia, a AltSchool busca os melhores talentos do mercado. Além do investimento em pessoas, ela também investe pesado em tecnologia, não apenas em infraestrutura, mas em softwares capazes de criar um ambiente personalizado de aprendizado para cada aluno.

  • Autonomia e "Ownership"

Steve Jobs já dizia: “Não faz sentido contratar pessoas inteligentes e dizer a eles o que fazer; nós contratamos pessoas inteligentes para que eles nos digam o que fazer.” E sobre esse preceito, a AltSchool dá muita liberdade aos professores e seus alunos. Como os alunos traçam metas, criam objetivos, definem estratégia para alcançá-los, o produto final, seu aprendizado, é de sua propriedade. Um sistema assim torna alunos muito mais comprometidos e isso fica claro em uma visita a AltSchool. Ninguém precisa pensar pelo aluno. Eles entendem suas necessidades e buscam atingi-las da maneira mais eficiente.

  • Educação inovadora baseada em dados

Não há uma tendência metodológica no trabalho da escola. A educação é baseada em dados. Todo o processo é transformado em informação, ou seja, números, e as decisões são tomadas fazendo a sua melhor análise. Não importa muito no que eu acredito, o que importa são os resultados e o que funciona para um aluno pode não funcionar para outro. Com base nos dados reais de aprendizado, saber o que mais funciona para um ou para outro é fácil e ajuda muito o professor e o aluno na personalização.

Essa é a AltSchool, ou um pouco dela, ou o que dá para se entender em uma rápida visita, ao menos. Max está criando uma experiência de aprendizado altamente personalizada que fica cada vez melhor e mais barata à medida que os alunos a usam. Sua escola é apenas uma ponte para um objetivo muito maior: impactar positivamente a educação no mundo. E como fazer isso num modelo escalável e barato, se não utilizando tecnologia?

O grande objetivo da escola não é se tornar um novo modelo de instituição, mas sim um novo sistema escolar onde qualquer instituição que queira personalizar o seu ensino e dar autonomia aos seus stakeholders.

Para mim, o grande aprendizado dessa visita não foi a tecnologia envolvida no modelo da escola, mas a liberdade para alunos e professores. Afinal, não é todo o dia que você encontra uma instituição de ensino que oferece educação inovadora onde todo o processo de aprendizado está na mão de seu principal interessado: o aluno.

*Felipe Diesel é proprietário da escola Hey Peppers, educador e explorador de métodos revolucionários para o ensino.

A AltSchool no Brooklyn Heights, em Nova York.
Diversos métodos de aprendizagem são construídos em conjunto entre alunos e professores.