Programa beneficia moradores do meio rural em situação de vulnerabilidade em Giruá

Quinze famílias em situação de vulnerabilidade social no meio rural de Giruá serão beneficiadas com projetos técnicos para produção de alimentos e venda do excedente para geração de renda, por meio desta política pública do Ministério de Desenvolvime

Programa beneficia moradores do meio rural em situação de vulnerabilidade em Giruá

A proposta e os encaminhamentos do Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais, vinculada ao Plano Brasil Sem Miséria, foram discutidos nesta sexta-feira (13/04), em Giruá, durante reunião do comitê gestor do programa no município. Quinze famílias em situação de vulnerabilidade social no meio rural de Giruá serão beneficiadas com projetos técnicos para produção de alimentos e venda do excedente para geração de renda, por meio desta política pública do Ministério de Desenvolvimento Social, executada pela Emater.

O comitê gestor municipal do programa é formado por representação da Emater/RS-Ascar, do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, da Secretaria Municipal de Promoção Humana e da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente. O chefe do escritório municipal, Diogo Krann Danda abriu os trabalhos, colocando a importância das parcerias na implantação do programa pela entidade executora, junto às famílias beneficiárias.

A extensionista social da Emater Helena Sandri Zaltron apresentou detalhamentos sobre a execução do programa, que está em sua quarta fase, por meio da qual será feito um acompanhamento das famílias no período de 2018 a 2021.

Nessa reunião, o comitê gestor tomou conhecimento das famílias selecionadas pelo Ministério de Desenvolvimento Social, que atendem aos critérios estabelecidos para receber a assistência e recursos do programa. A primeira etapa do programa consiste em visitas às residências dos beneficiários para divulgação das regras do programa e diagnóstico inicial da família.

Ao longo do período de execução do programa serão desenvolvidas diversas ações, entre elas, diagnóstico do perfil e das necessidades das famílias, atividades de capacitações voltadas às questões sociais e técnicas de produção, aproximação das famílias a políticas públicas das três esferas de governo, ações de promoção de segurança e soberania alimentar e geração de renda, elaboração de projetos produtivos e visitas às famílias para atendimento de demandas pontuais.

Além da assistência técnica e social, as famílias receberão financiamento não reembolsável de R$ 2.400 para a execução dos projetos produtivos, que depois serão devidamente comprovados.