A corrupção perto de nós

Pela primeira vez ouvi de um petista o reconhecimento de que talvez Luiz Inácio Lula da Silva possa ser culpado. Isso partiu do deputado estadual Jeferson Fernandes (na verdade ele não disse, mas levou a entender). Mas o parlamentar deixou claro, de que a forma com que o processo foi conduzido vem a inocentar Lula na Justiça. Não consigo discordar integralmente de Jeferson, pois se olharmos para a Justiça local, nas eleições municipais de 2016, tivemos inúmeras irregularidades, e os denunciados foram absolvidos por deslizes burocráticos no processo. Então: no caso de Lula seria diferente?

Mas não estou aqui para defender ou culpar o ex-presidente, apenas para refletir sobre a fala de Jeferson. O deputado foi pontual em dizer que o atual Governo Municipal de Santa Rosa está cheio de problemas de corrupção, incluindo o próprio prefeito municipal (falas do Jeferson). Então, teremos uma eleição em 2020 sem falarmos de corrupção?Muito pelo contrário!

A corrupção deve vir a toma no debate. A diferença é que o PT, que está manchado nacionalmente vem para a campanha da cidade sem nenhum histórico de corrupção. Para não ser tão bom com o Partido dos Trabalhadores, tenho que lembrar que tivemos um ex-vereador ( do PT) condenado por usar o telefone celular pago pelo Legislativo (pago pelo povo) para contratar serviços sexuais.

Tá, mas e os outros partidos? Tem o MDB, que ultimamente têm se envolvido em escândalos por cargos, não que isso seja ilegal, mas está muito longe de ser moral. E os outros partidos?

Apostaria todas as minhas fixas que Carlos Alberto Benedetti vem com tudo para debater e jogar o que tiver que jogar no ventilador. Por outro lado vem Anderson Mantei-PP com serenidade e sem medo de debater. Mas se tivermos condenações até lá? Mas também teremos um centro direita, com o Sérgio Rodrigo Colla, pronto para mostrar que talvez o extremismo não levará a nada. Daí poderemos ter um PSL, convicto que o conservadorismo pode ser a saída.

Realmente, a corrupção pode ser o fator decisivo em 2020, como já foi em 2018. Será que é a história recente se repetindo?

São tantos pré-candidatos a prefeito!

É comum anúncios de pré-candidatos a prefeito de Santa Rosa. Hoje temos pelos menos uns seis partidos lançando nomes que possam vir a concorrer em 2020. Claro, nada mais é do que um “jogo político”, ou seja, os partidos buscando notoriedade no quadro.

Mas o que querem essas lideranças? É justo, vejam os casos passados, quando um político se lança pré-candidato a prefeito, ele faz isso com intuito de negociar uma coligação, talvez buscar apoio a seu nome, ou apoiar alguém com chances de eleição. Mais tarde pode ser que ele nem venha a concorrer, mas garante visibilidade para a sigla, e para si próprio. Outros saem como prefeito e depois concorrem a vice, ou até mesmo a vereador. Então não te assuste, pois dificilmente teremos sete candidatos a prefeito em Santa Rosa em 2020.

Segundo posicionamentos dos partidos, atualmente são sete siglas que defendem um ou mais nomes como pré-candidatos a prefeito. Quem são os pré-candidatos "atuais" em Santa Rosa:

PP: Anderson Mantei

MDB: Valdemar Fonseca e Juscelino Gonçalvez

PT: Orlando Desconsi e Jeferson Fernandes

PSDB: Sérgio Rodrigo Colla.

PRB: Carlos Alberto Benedetti

PL: Nelmo Vargas

PSL: Geremias Barbosa e Roberto Burkle

PSB: Luis Antônio Benvegnú e Marcos Volnei

 

45 dias de "férias/ano" para os vereadores

A Câmara de Vereadores de Santa Rosa está em recesso parlamentar até o dia 31 de julho, mas retomam as sessões no dia 05 de agosto. A última sessão aconteceu na quarta-feira, dia 17, e foi convocada de forma extraordinária pelo Executivo. Vereadores de Santa Rosa ficarão 15 dias de recesso.

Somado com os 30 dias de janeiro, mais as "férias de julho", os parlamentares ficam afastados do legislativo por 45 dias, durante o ano. Qual a diferença do vereador e do trabalhador comum? O trabalhador tem direito a 30 dias/ano. 

1/24Página seguinte →71 registros