Sobre a semana:

# E chegou dezembro, um mês jamais sonhado pela direção do Hospital Vida & Saúde.

# Depois de mais de uma década de gestão no azul, com grandes investimentos e novos serviços de alta complexidade acumulados no período, deve estar rumando para uma terceira operação bancária para bancar despesas básicas.

# Pagamento de meia parcela do 13º salário se confirmou na folha de novembro, quando todo o benefício era saldado.

# Fundação Municipal de Saúde estava disposta até ontem a romper o serviço do SAMU com a prefeitura de Giruá, por falta de pagamento. Atrasos acumulam cerca de R$ 400 mil.

# Decisão foi reconsiderada diante do pagamento de R$ 300 mil na tarde de ontem, parcelando outros R$ 90 mil em três vezes.

# Os R$ 400 mil que Giruá devia é dinheiro que deveria ter entrado no caixa do Vida & Saúde, que administra o serviço do SAMU através de contrato firmado com a Fundação de Saúde.

# Estranho o silêncio do Sindicato dos Servidores Municipais diante de vários posicionamentos do Poder Executivo sobre o peso da folha do funcionalismo no orçamento anual.

# Aos poucos estamos recebendo visitas de servidores que, educadamente, e sem aquela do ‘estão jogando a comunidade contra a classe’, apresentam argumentos interessantes.

# Convidamos para que venham aos microfones contrapor, mas alegam que ficariam marcados e correndo o risco de uma perseguição.

# Então, estamos pedindo que coloquem no papel suas opiniões e divulgaremos tudo, protegendo os nomes das fontes.

# A crise nos pegou, mesmo. Vejam o impacto que teve nossa economia com a perda de 4.060 postos formais de trabalho apenas nos últimos dois anos e 10 meses.

# Entendemos o entusiasmo do jovem Euclides Spies, mas o fato de a Sala do Empreendedor ter 2.819 Micros Empreendedores Individuais cadastrados como ativos, não significa na prática que temos 2.819 MEIs trabalhando.

# Criar uma MEI é uma alternativa de se apresentar ao mercado de trabalho que em três anos desativou 4.060 empregos com carteiras assinadas. Na empresa, chovendo ou ventando o trabalhador está trabalhando. Na disputa por contratos temporários, os MEIs fatalmente conviverão com períodos de sazonalidades.

# Quem entrar na Unicred a partir de segunda-feira, não terá a impressão de que esteja dentro de uma agência bancária. A arquiteta Camila Preissler criou um ambiente descontraído, que não lembra em nada o interior de um banco.

# A sexagenária Estofaria Treter acaba de ser adquirida pelo casal empreendedor Mogar e Karine Sincak.

# Recebo na segunda-feira, às 09h45min, uma Moção de Congratulações na Câmara de Vereadores. Quem tiver coçando nessa hora, está convidado a comparecer. O convite é para todos, inclusive para os que não vão com a minha cútis. Na falta do que fazer, compareçam.

# Obrigado Nelci Dani, proponente da homenagem. Obrigado a todos os vereadores que aprovaram a proposta (ai de quem não aprovasse!).

Terra no Ministério

# Osmar Terra novamente no topo do comando da República.
Foi ministro do Desenvolvimento Social do Governo Temer. Será ministro 
da Cidadania e Trabalho do Governo Bolsonaro.


# Por estar muito próximo de nós, participando seguidamente de campanhas 
eleitorais municipais e nacionais, visitando as bases e intervindo em 
questões locais, talvez não saibamos dimensionar a profundidade e 
importância de sua projeção nacional.


# Que município gaúcho e brasileiro não gostaria de ter um secretário 
estadual da Saúde durante dois mandatos consecutivos e por governadores 
de partidos diferentes? Foi secretário de Germano Rigoto e de Yeda Crusius.


# Que município com 70 mil habitantes no mundo, não gostaria de ter um 
ministro em dois governos republicanos seguidos?


# Mas como é o Terra, o nosso Terra, parece que o impacto não é tão 
intenso. Até as críticas brotam com naturalidade.


# Os mais chegados o chamam de Pé, outros de Pé Grande.
Os petistas o chamavam de ministro do governo golpista.
E tudo com naturalidade.


# Existe uma linha imaginária, nesses casos, que não devemos transpor. É 
a linha do respeito, da consideração, respeitando a consagração de um 
político que deixou um consultório médico para ser prefeito de Santa 
Rosa em 1993. De lá para cá, só alçou voos cada vez mais altos.


# Mudando de assunto. Santa Rosa começa a conviver de forma mais intensa 
com a violência do tráfico de drogas.


# Duas execuções marcaram a semana passada num período de cinco dias. A 
mais violenta ocorreu no Parque de Exposições, frequentado por famílias.


# Quando há uma execução também há um mandante. E o mandante faz parte 
de uma gangue. Ou seja, já temos gangue atuando em Santa Rosa, só que 
com poder de mandar matar.
Isso foge à nossa compreensão.


# O que vemos na televisão, tipo brigas de gangues nas favelas do Rio de 
Janeiro na disputa pelo tráfico, estão à nossa vista. No Parque o morto 
era um traficante, que numa operação da Polícia Civil local foi preso 
transportando 20 quilos de drogas.


# Levou 10 tiros na cabeça e mais dois balaços. Não basta matar. Tem que 
mandar recado.


# O tráfico e sua violência são alimentados por quem consome drogas.


# Prefeitura volta a pagar o funcionalismo com atraso. Paga o líquido, 
mas não recolhe os encargos.


# Crise financeira bate às portas do Hospital Vida & Saúde, que viveu um 
primor de gestão nos últimos 13 anos. Porém, qualquer um sucumbe quando 
precisa ir aos bancos buscar o dinheiro que o SUS não repassa por 
serviços já prestados.


# Fonte ligada ao MDB afirma que aproximação com Vicini até pode 
ocorrer, mas sem cargos na Prefeitura e sem o desmonte do bloco de 
oposição na Câmara. É meio difícil de
entender.


# Em Pelotas, a prefeita Paula Mascarenhas (PSDB) enviou projeto à 
Câmara instituindo o piso nacional para o magistério.
Porém, reduz índices de gratificações e extingue outras vantagens.


# Em Santa Rosa parece que a estratégia é buscar uma reforma do quadro 
de carreiras e salários só depois que a casa cair. Assim o apoio popular 
viria e o próprio funcionalismo
se daria conta que o eldorado acabou. Mas, precisa tanto?


# Uma revisão do quadro e dos salários está pronta na Fundação Municipal 
de Saúde. Está por ser entregue à equipe da Prefeitura que tratará da 
questão no macroatacado.


# Parabéns SOJÃO. Foi demais a etapa de Santa Rosa, com 100% de 
aproveitamento. Sonhar com o título estadual de Basquete não é delírio.


# Morreu Alemão. Tótilas Carvalho Neto, filho do Júnior, idealizador do 
Xeje Bobo de Cruzeiro. Alemão foi arrancado de nós ainda guri, com 45 
anos. Maldito câncer.


# Parecia que foi o Alemão quem inventou o sorriso. Vivia sempre 
sorrindo. Partiu deixando essa visão no coração dos familiares e amigos. 
Era muito jovem. Isso não está no trato.

Agora, toca à mesma classe política rever os erros

# A casa vai cair se Vicini não construir de forma urgente uma reforma do quadro de carreira e de salários do funcionalismo municipal.

 # Aliás, a casa já está caindo. A prefeitura começou a atrasar o recolhimento de encargos sociais da folha dos servidores. Só em outubro deixou de recolher R$ 440 mil para os que trabalham na Fundação Municipal de Saúde.

 # Orçamento Municipal de 2019 está projetado em R$ 356.605.234,56.

 # A última estimativa do IBGE para Santa Rosa é de 72.919 habitantes. Isso significa que cada santa-rosense terá durante todo o ano que vem em serviços da prefeitura R$ 4.890.42. Por mês, serão 407,50. E por dia, R$ 13,40.

 # Joel Faccin: “Em 2019 a prefeitura gastará 78% de seu orçamento com despesas de pessoal”.

 # Leila Piekala: “Em  2019 a prefeitura gastará 70% de seu orçamento com despesas de pessoal”.

 # Joel e Leila separaram do orçamento os repasses estaduais e federais e trabalham só em cima dos recursos livres, que a Fazenda pode manusear.

 # Salatiel Oliveira Santos: “Em 2019 a prefeitura gastará R$ 180 milhões de seu orçamento total com despesas de pessoal”. E ele duvida que os R$ 356,6 milhões projetados serão arrecadados.

 # Odaylson Eder: “Santa Rosa está entrando numa espiral negativa e logo a prefeitura não terá dinheiro para pagar despesas básicas. O primeiro corte virá dos investimentos”. Leila concorda.

 # Aldemir Ulrich: “O orçamento deste ano prevê R$ 29 milhões para investimentos. O orçamento de 2019 destinará R$ 14,6 milhões. Estamos encolhendo?”

 # Se a maior despesa do município é com o funcionalismo, onde devem começar os cortes?

 # Quando os números e percentuais se escancaram, é para o custo com salários que as atenções se voltam. Os servidores não podem simplificar o debate afirmando que “estão jogando nós contra a comunidade”.

 # Não! Até porque nenhum servidor se autoconcedeu benesses e penduricalhos. Isso veio dos políticos que os agradaram a custa do dinheiro do contribuinte, com o claro intuito de vencer eleições.

 # Agora, toca à mesma classe política rever os erros.

 # Salatiel Oliveira: “Concordo que a questão de pessoal precisa ser revista, mas não podemos nos esquecer dos direitos adquiridos”.

 # Direitos adquiridos? Só com dinheiro. Isso soa parecido como aquele artigo da Constituição que diz ser a saúde um direito de todos os brasileiros.

 # Se o caixa quebrar, não haverá direito adquirido. Ou entrarão na Justiça exigindo que a prefeitura venda ativos como máquinas e prédios públicos?

 # Por isso insistimos que um dos maiores interessados na reforma do quadro de carreiras e de salários deve ser justamente a classe do funcionalismo. Se endurecer, salários e aposentadorias correm o risco de a qualquer momento não serem pagos em dia.

 # Vocês acham que José Ivo Sartori atrasou salários durante quatro anos de seu governo por se tratar de um gringo mau? Não tem dinheiro!

 # O futuro governador Eduardo Leite está implorando à Assembleia Legislativa a prorrogação das alíquotas de ICMS.

 # Aliás, fiquem atentos. Se as alíquotas de ICMS não forem prorrogadas, a prefeitura de Santa Rosa deixará de arrecadar R$ 5 milhões em 2019.

 # Vicini tem ainda dois anos de mandato. Ainda em 2019 deixará de ser um bom pagador, se não promover uma reforma urgente.

 # A grande preocupação do futuro Governo Bolsonaro é de evitar o clima de expectativa da população brasileira. E eles (a equipe) estão certos. É ingenuidade pensarmos que nossa economia dê um salto em 2019. Qualquer medida, por mais profunda que venha ser, só terá efeito prático em 2020.

 # Então, agarramo-nos nas bordas do barco e torçamos para não afundarmos nas águas turvas de 2019, na nossa relação com os serviços públicos municipais. O bicho já comeu mais da metade dos calcanhares.

1/94Página seguinte →281 registros