• sexta-feira, 4 de agosto de 2017 15:04

    A prostituta e o Parlamento

    Nem é sobre isso a crônica. Ou é também. É mais sobre como damos importância ao nada e sobre como deixamos passar tudo...

    Eu não sei o que dizer, nem o que pensar ou o que registrar acerca deste momento nacional. Nada que eu escreva acrescentará algo novo, algo que não conste abertamente em qualquer site de notícias. Nada será novo, nem mesmo se disser que nunca na história deste país ficou tão escancarada a compra de votos, a negociata sórdida, e tão claros estão os nomes dos verdadeiros corruptos e corruptores.

    Por isso não quero escrever sobre essa gente podre que se assentou no Parlamento nacional e se alojou nas cadeiras nobres do Governo. É perder tempo, afinal, também somos culpados, pois os colocamos lá a chafurdar.

    É perder tempo porque a verdade é que nos importamos mais com a condição sexual do outro que com aquilo que lhe vai dentro da alma. Damos maior importância ao fato de alguém ser gay do que à honestidade dele.

    Nesta semana uma jovem de Santa Rosa postou um desabafo na internet, pouco visto, mas intenso. É sobre como somos trogloditas. Ela gosta de skate, inclusive da pista ali no centro. Conta a moça que passava na calçada quando dois homens cochichavam entre si, a se perguntar: - “Menina ou menino”?

    E desta indagação vem seu protesto, vêm suas palavras intensas, que sugerem aos dois marmanjos que voltem aos assentos escolares, que se eduquem. Pergunto eu: Que lhes importa se é menina ou menino? Em que isso me diz respeito? A jovem roubou, assaltou, matou alguém? Não que eu saiba!!! Então, por que sua condição sexual é relevante?

    A verdade, cara jovem do Face, é que estamos tão presos à ditadura social, moral, religiosa e material que não conseguimos nos libertar das sementes malignas enraizadas ao longo de séculos em terra pobre. Sim, terra pobre, somos solo quase estéril. Estamos tão presos à ditadura que mais nos importa se um indivíduo é gay que a honestidade ou o caráter ético dele.

    É por isso que chegamos a esse mar de lama nacional. É porque fomos educados para a cegueira. Educados para questionar o não questionável e deixar de olhar ao que realmente importa.

    Por isso que a sociedade sempre falou mal das prostitutas, quando, na verdade, deveria falar dos homens que as contratam, os pais de família que se embebedam na taça da luxúria.

    Felizmente, nunca fiz uso, nem das prostitutas, nem dos deputados. Mas penso que o brasileiro, hoje, deve se orgulhar das prostitutas.

  • sábado, 29 de julho de 2017 12:21

    O povo vai compreender

     

    Não dá para compreender. Não tudo. Ou nos tornaremos insensíveis à dor e incapazes de reagir.

    É uma crônica sobre a vida e a inércia de nosso povo. É sobre a indignação de viajar 1000 quilômetros para fazer uma ecografia em Porto Alegre porque era sábado. O exame precisava ser feito naquele exato dia. Sábado. Depois de ligar para sete clínicas e hospitais em Santa Rosa nós desistimos. Então, a Dé (que paga plano de saúde para ter algum atendimento a mais) foi até a capital do Estado, se desgastou 16 horas com ônibus, gastou um monte, apenas para fazer uma Eco, que é coisa simples!

    Como não ficar indignado com isso? Como não ficar “pê” da vida quando ler o relato da Arlise Calai sobre a peregrinação que ela fez em Santa Rosa até ser atendida com resultado? Como não subir paredes com o que a Dé me contou sobre a noite em que ela foi acompanhar uma vizinha que estava em trabalho de parto?

    Isso é sermos uma cidade polo regional em saúde? Viajar 1000 quilômetros para fazer uma ecografia? Isso é? Não. Isso é ser polo regional em ter condições de ofertar saúde da mais elevada qualidade, mas não em ofertá-la.

    Curiosamente, assim como estão encadeadas aqui na crônica, no mesmo dia o presidente nos tasca um aumento de combustíveis que azeda a nossa vida toda, que ferra com o pouco planejamento doméstico e financeiro que temos, e diz que nós compreenderemos.

    Não compreendemos, não aceitamos. Apenas não temos alternativas, somos cordeiros indo ao matadouro. Não há como salvar os mansos se os pastores do rebanho são lobos. Simples assim.

    Caso fôssemos cabritos monteses ainda escalaríamos as rochas, usaríamos os chifres, tentaríamos uma reação ao estilo castelhano. Mas somos ovelhas adestradas durante 500 anos de escravidão e jugo desigual. E cada tentativa de reação se transformou em Canudos, Contestado, Porongos, Palmares, Caiboaté, histórias talhadas com sangue e traições, esmagadas ao ferro do Governo que deveria proteger.

    Aí você abre um site de notícias e lá está estampado que 78% dos brasileiros são pagadores de impostos. Que bom! Somos um país de ricos! Somos um país de achatados, isso sim.

    Eu creio que povo brasileiro não compreende, mas ainda espera, espera porque acredita que poderá mudar o curso da história em 2018. E sou bem franco: não quero Lula no poder, nem o Temer. Quero um Joaquim Barbosa ou um Moro, alguém novo, alguém que carregue a bandeira da ética, da verdade, e que possa frear os assaltos diários aos cofres da União.

    Em tempo, caso alguém não tenha visto, a Revista Congresso em Foco (que lê nosso parlamento nacional) publicou matéria com base nos processos correntes. Os partidos mais corruptos na lista do STF são: PP, PMDB, PT, PSDB e PR.

    Isso é fácil de compreender. O resto não!

  • sexta-feira, 21 de julho de 2017 14:46

    Os índios, os negros e os pobres

    Quando o Governo Federal lança uma campanha de regularização fundiária que o deputado da sua base diz que vai beneficiar “100 milhões de brasileiros” eu fico com duas pulgas atrás da orelha. A começar porque esse número é surreal, pois somos apenas pouco mais de 210 milhões de nativos. Quero a minha fatia desse bolo!

    O meu receio é que se legalizará a terra grilada. E desta forma lá se vai mais um tanto da Amazônia a virar cinzas! Lá se vai mais um tanto de população pobre empurrada para fora até dos fundos de campo, donde irão às beiradas das cidades.

    Em geral, é isso que ocorre quando o Governo legaliza terras. Quem vai ao cartório registrá-las? Os fazendeiros, os madeireiros, os peixes graúdos que se apossaram das áreas da União. Sem levar em conta quem sobre elas está há mais tempo. Desde a fundação do país este verbo é priori a quem tem ou está do lado do poder: apossar.

    Há menos de 200 anos o Império determinou o registro de terras que pertenciam à União. Nas imensidões do Sul quem estava à frente dos homens de guerra e alguns mandatários registraram seus lotes. Eles foram avisados que deveriam proceder assim. E tinham “recursos” para provar que as terras eram suas.

    Pergunta: onde foram parar os mais de 100 mil índios que viviam nas Missões guaranis tomadas pelos espanhóis e portugueses? Eles ficaram com quais terras? Eles foram para os fundos de campo, depois para os vilarejos, para as povoações e estão em nossas periferias, cruzados com negros, pobres e lusos. E hoje, com os imigrantes também.

    Quando o Governo fala em legalização fundiária é isso que está em marcha. Beneficiar quem, por vias legais, até os dias atuais não conseguiu garantir sua escritura. Quem realmente vai conseguir usufruir dessa vantagem?

    No final do processo, serão regularizadas as terras onde há posseiros, negros, pobres, descendentes de índios vivendo há centenas ou dezenas de anos. Depois, de posse das escrituras, nossos nobres farão o mesmo que fizeram os nossos avós e antepassados quando cá chegaram: a ferro e fogo vão expulsar a todos aqueles que sempre estiveram sobre a terra e dela faziam uso. O papel lhes permite tudo, até pagar polícia para exterminar “invasores”.

    Eu ouvia falar dos “bugres” lá nas bandas da Giruazinho. Os colonos semeavam pânico entre os seus, porque os índios atacavam com arco e flecha, roubavam gado e eram uma ameaça. Eles, os nativos, eram “quase bichos, sem alma”. E assim, nessa guerra pela posse da terra que aos nossos antepassados foi assegurada “pelo documento do governo”, nos tornamos esse centro de excelência progressista.

    Deve-se regularizar sim, mas as pequenas propriedades, os lotes urbanizados nas periferias, onde haja índios, negros e pobres que foram e seguem alijados de seus direitos e conquistas. Regularizar para aqueles que não têm grana para fazer isso porque mal conseguem para o feijão.

    E vamos lá, todos, apoiar a aposentadoria dos nacionais aos 65 anos! Afinal, somos ricos!

  • sábado, 15 de julho de 2017 11:17

    Os militontos e os muitotontos

    Há muito tenho escrito que me entristece a recente divisão entre brasileiros e brasileiros que torna todo o debate pobre, que encerra qualquer discussão já no seu nascedouro.

    A condenação do Lula, por exemplo, é assunto a ser amplamente discutido em qualquer roda de conversa, nos assentos escolares, nas mídias, etc e tal. Porém, sob o viés da legalidade ou não, sob o viés das questões políticas e sociais, e por aí afora.

    Não é o que se vê. Os argumentos deixaram de existir, deram lugar às vulgaridades. Quem abre as mídias sociais ou lê os comentários postados abaixo de matérias publicadas em veículos sérios fica horrorizado com o que lê. Em geral é baixaria, de ambos os lados: os que largaram “caramurus” na quarta-feira e os que sabem de antemão que a condenação foi mais uma pá de cal sobre a quase-lápide do PT.

    Tenho lido bastante essa palavra “militonto” nos comentários. Em tese, todo aquele que defende Lula é um. Chama atenção, no entanto, que, em geral, quem a emprega é igualmente “militonto”, de outra sigla. Aplica-se idêntico raciocínio a quem usa o termo “coxinha”, igualmente pejorativo.

    Para mim, quem emprega “militonto ou coxinha” está fora de qualquer roda de discussão, é tendencioso. Precisamos ter capacidade para ir além destes dois grupos. Não pode ser uma queda de braço entre ricos e pobres, entre ladrões e menos ladrões. Tem que ser uma discussão entre certo e errado (o que não temos hoje), uma pauta em prol da construção de um País para todos (que não é o que temos hoje).

    O brasileiro é duplamente vítima: primeiro porque viu os eleitos depenarem o País em benefício próprio; e depois - não bastassem os roubos - vê-se presa de reformas que fatalmente o tornará ainda mais miserável. Fique claro, não sou contra as reformas, sou contra a forma como é conduzida e a totalidade dos itens aprovados ou em discussão.

    É preciso serenidade a quem fomenta os debates. O mesmo cara que escreve “militonto” é “muitotonto” ao escrever que o massacre de acampados sem-terra foi legítima defesa da polícia. Isto é ser imbecil.

    Nem “militontos”, nem imbecis “muitotontos”. Precisamos de pessoas em condições de argumentar e defender conceitos básicos, como ética, moral e honestidade. E, a partir destas premissas estabelecermos defesa dos nossos pontos de vista e reconstruir a sociedade.

    Tristes estamos nós, brasileiros, roubados por essa quadrilha que estava e está alojada no Governo, no Senado e no Parlamento. E reféns de discussões rasteiras entre “militontos” e “muitotontos”.