segunda-feira, 23 de setembro de 2013 07:03

Pra ti, Daltry

Daltry Cardoso Teixeira se diz aposentado. Lançou em alto estilo na sexta-feira passada, na Casa dos Italianos, o livro ‘Domador de Sonhos’, uma autobiografia. Uma obra na qual ele se esforça para sintetizar sua história de quase 50 anos como defensor de réus no Tribunal do Júri. Um esforço inútil. Ninguém consegue sintetizar a história desse monstro do Direito. O maior tribuno que vi e ouvi. Um homem predestinado a ser diferente por estar acima da média.

A coragem sempre foi um dos traços fortes de Daltry, mas nada comparado à decisão de escrever um livro. Lendo ‘Domador de Sonhos’ despertei na mente episódios marcantes da vida regional, além de ter aprendido mais sobre a trajetória do mais consagrado criminalista local. Numa autobiografia, o autor se expõe. E para se expor é preciso coragem, principalmente para um homem que trilhou sua vida entre o amor e o ódio gerados pelo ambiente do júri.

Nos dramas existenciais que cada um carrega, o livro de Daltry exerceu em mim um descortinamento. Me inflamou de vida. Deu sentido ao passado, mas sem a nostalgia de quem sofre por exigir demais de si próprio.

Daltry, o conceito de aposentadoria não tem nada a ver contigo. Que venha ‘Domador de Sonhos II, III, IV....’. Vá contar tuas histórias para uma geração entubada em redes sociais que fornecem a sensação de saber tudo, quando no frigir dos ovos se sabe muito pouco. Vá palestrar por aí, repartir tua diferença intelectual com os que te admiram.

Você é o típico vulto que nem a morte de para. Você veio pra ficar. Retome os teus arreios, monstro!

Sou feliz por ter vivido no tempo de Daltry Cardoso Teixeira.

Em tempo: ‘Domador de Sonhos ’ está à venda na Livraria Magia das Letras

Faça seu comentário